quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Sou impar e perfeita nas minhas imperfeições.

Elisabete Coelho


"Árvores são poemas que a terra escreve para o céu. Nós as derrubamos e as transformamos em papel para registrar todo nosso vazio."
Gibran Khalil Gibran, O Profeta




Fundamental é encontrar a felicidade nos mínimos detalhes.

(Elisabete Coelho)

Quantos anos tenho?
Tenho a idade em que as coisas são vistas com mais calma, mas com o interesse de seguir crescendo.
Tenho os anos em que os sonhos começam a acariciar com os dedos e as ilusões se convertem em esperança.
Tenho os anos em que o amor, às vezes, é uma chama intensa, ansiosa por consumir-se no fogo de uma paixão desejada.
E outras vezes é uma ressaca de paz, como o entardecer em uma praia.
Quantos anos tenho?
Não preciso de um número para marcar, pois meus anseios alcançados, as lágrimas que derramei pelo caminho ao ver minhas ilusões despedaçadas…
Valem muito mais que isso
O que importa se faço vinte, quarenta ou sessenta?!
O que importa é a idade que sinto.
Tenho os anos que necessito para viver livre e sem medos.
Para seguir sem temor pela trilha, pois levo comigo a experiência adquirida e a força de meus anseios.
Quantos anos tenho? Isso a quem importa?
Tenho os anos necessários para perder o medo e fazer o que quero e o que sinto.
(Autor: José Saramago)




LEMBRETE:   Não esquecer de regar o amor todos os dias, mantendo suas flores belas, pois o amor também pode morrer ou transformar-se em erva daninha.

(Elisabete Coelho)



sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

A Conivência com o Mundo

Nasci dura, heroica, solitária e em pé. E encontrei meu contraponto na paisagem sem pitoresco e sem beleza. A feiura é o meu estandarte de guerra. Eu amo o feio com um amor de igual para igual. E desafio a morte. Eu – eu sou a minha própria morte. E ninguém vai mais longe. O que há de bárbaro em mim procura o bárbaro e cruel fora de mim. Vejo em claros e escuros os rostos das pessoas que vacilam às chamas da fogueira. Sou uma árvore que arde com duro prazer. Só uma doçura me possui: a conivênci
a com o mundo. Eu amo a minha cruz, a que doloridamente carrego. É o mínimo que posso fazer de minha vida: aceitar comiseravelmente o sacrifício da noite. 

Clarice Lispector, in 'Água Viva' 

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Quando te sentires só, lembre-se que nunca estamos sozinhos completamente.
Nos piores momentos de nossas vidas Deus sempre envia um anjo, seja ele um amigo ou até mesmo uma pessoa estranha, por isso não devemos pensar que nunca precisaremos do próximo. A ajuda pode surgir de onde menos esperamos. ( Até mesmo daqueles que muitas vezes rejeitamos) ;-)


(Elisabete Coelho)



Todos os dias quando acordo
Não tenho mais o tempo que passou
Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo
Todos os dias antes de dormir

Lembro e esqueço como foi o dia
Sempre em frente
Não temos tempo a perder
Nosso suor sagrado

É bem mais belo que esse sangue amargo
E tão sério e selvagem
Selvagem, selvagem
Veja o sol dessa manhã tão cinza

A tempestade que chega é da cor dos teus olhos
Castanhos
Então me abraça forte

Me diz mais uma vez que já estamos Distantes de tudo
Temos nosso próprio tempo
Temos nosso próprio tempo
Temos nosso próprio tempo
Não tenho medo do escuro

Mas deixe as luzes acesas agora
O que foi escondido é o que se escondeu
E o que foi prometido, ninguém prometeu
Nem foi tempo perdidoSomos tão jovens

Tão jovens, tão jovens

( Legião Urbana)


Teu mundo é espelho de você
A beleza está nos olhos de quem vê, assim como muitas vezes a maldade que enxergamos está apenas em nossos olhos. O mundo é o que você enxerga, mas principalmente o que você quer enxergar e o que você quer fazer dele. Emoticon wink
Augusto Branco


Se eu pudesse descrever a beleza dos teus olhos e enumerar teus atributos em épocas vindouras... diriam: o poeta mente! A Terra jamais foi acariciada por tal toque divino.
William Shakespeare


quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Algumas pessoas acham que o luxo é o oposto de pobreza, não é, é o oposto de vulgar.
Coco Chanel


Quantas preocupações desaparecem quando a gente se preocupa não em ser alguma coisa, mas em ser alguém.
Coco Chanel


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

A idade chega para todos, mas o que importa é estar com a consciência tranquila e saber viver cada fase da tua vida, aprender com os teus erros, superar os obstáculos e poder chegar nesta fase com saúde e dignidade.




terça-feira, 24 de novembro de 2015

Quando cada pessoa aprender a colocar o seu próprio lixo no lixo talvez as coisas mudem. (Começando pelo básico)

Elisabete Coelho


quinta-feira, 19 de novembro de 2015

terça-feira, 17 de novembro de 2015

O que eu não devo é dar ibope para a intolerância das pessoas. 

Elisabete Coelho


Quem dera que as pessoas, independentemente de suas religiões e crenças, fossem seres humanos sem fronteiras, sempre expondo, e não impondo, as suas ideias. A imposição das ideias, sejam elas religiosas, políticas ou científicas, sempre foi um câncer que corrói nossa espécie e destrói a liberdade. 

Augusto Cury


Sempre lhes disse que os fracos agridem, mas os fortes são tolerantes. Os fracos excluem, mas os fortes são pacientes. Agora lhes peço que não sejam tolerantes com seus fantasmas. Lutem com todas as forças contra tudo o que lhes perturba a mente. Não há dois dominadores. Ou vocês dominam suas preocupações ou elas o dominarão. Ou domesticam seus sentimentos de culpa ou eles os tornarão seus servos. Gritem, tenham acessos de raiva contra o humor triste, os pensamentos, fixos, a alienação, a compulsão.Não há gigantes. Repartam suas batalhas com seus amigos. E se não as vencerem, procurem um especialista. A existência é preciosa demais para se confinar a um cárcere.
Augusto Cury


Não sei quem sou nem o que sou, pois o que pensava que era não é o que sou. Estou me desintoxicando do que era para ser o que sou. Não compreendo ainda quem sou, mas estou a procura de mim.

Augusto Cury


segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Sempre pensando, aprendendo! (mudando de ideia em questão de segundos, porque reconheço a minha própria ignorância ) 

Elisabete Coelho


quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender.
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo.
Eu não tenho filosofia: tenho sentidos.
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar.
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência é não pensar.
Fernando Pessoa

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
(Fernando Pessoa)




quinta-feira, 5 de novembro de 2015

“Uma mulher é apenas uma mulher, mas uma mãe é um vulcão, um furacão, uma enchente, uma tempestade, um terremoto. Uma mãe é invencível. Não há perda que ela não transforme em força. Não há passado que ela não emoldure e coloque na parede. Não há medo que a mantenha quieta por muito tempo.’

Martha Medeiros


Somos tão diferentes, mas tão completos quando estamos um ao lado do outro.
Tati Bernardi


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

“Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data."

( Luís Fernando Veríssimo)


quinta-feira, 29 de outubro de 2015

"De todos os meus pacientes, eu sou o que requer maiores cuidados”.

Sigmund Freud


terça-feira, 27 de outubro de 2015

Infelizmente percebe-se que o Brasil é um dos países aonde a falta de educação é quase generalizada! 
Para uma pessoa ter o mínimo de educação não depende do grau de escolaridade, dos diplomas e tudo mais, pelo contrário vejo muitos com educação zero! Aqueles pais que deixam a desejar na sua própria educação, transferem o que lhes falta para os seus filhos, transformam essas crianças em futuros adultos mal educados. ( "monstros")
E a culpa é de quem? Não é do governo, não é da babá, não é dos professores, como a maioria adora gritar a culpa é dos próprios pais. 


Elisabete Coelho

Drummond dizia que “amor é o que se aprende no limite, depois de se arquivar toda a ciência, herdada, ouvida; amor começa tarde”. Penso que confundimos a vontade de desvendar o outro, a sede insaciável da presença e a admiração, com o amor. O amor, mesmo, é o que começa tarde.
O amor começa não na magia embriagante que é, munidos de uma curiosidade que reduz o mundo ao outro, tocar uma vida pela primeira vez; mas no encantamento que resiste – e aumenta – quando a convivência já houver recheado nossa memória com registros de todas as variações minúsculas de gestos e sorrisos que dela provêm; quando as marcas de loucura já tiverem sido captadas e tomadas como poesia e o sofrimento alheio escorrido de nossos olhos.
O amor começa não nos diálogos agradáveis e engraçados, não no bem estar e admiração mútuas que as palavras trocadas são capazes de fornecer: isso é o que nos convida a abrir a porta e ir deixando alguém entrar. O amor começa tarde. Começa quando nem todos os momentos compartilhados requerem palavras que externem aquilo que se sente, simplesmente por estarmos tão conectados a alguém a ponto de olhar nos olhos e apenas com uma troca de sorrisos carregar a tranquilidade que o nosso coração sente ao confirmar que o do outro está sentindo o mesmo, de que ele está ali, compartilhando daquele momento com a mesma intensidade e o enxergando através das mesmas lentes: aquelas moldadas pelos arquivos diários e silenciosos do amor.
O amor começa não só na euforia das noites de sexta-feira, mas nos tédios compartilhados de domingo; não só na sinfonia do encontro de timbres, mas no descobrimento da paz que mora dentro dos silêncios cotidianos. O amor começa depois. Depois que aquela vida que nos tira o ar tantas vezes, for também a mesma que, simplesmente por existir e respirar, nos dá coragem e vontade de continuar fazendo o mesmo.
Patricia Pinheiro

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Seres despertos estão sempre no planeta.
Não é meros livros que lhe irão dar convicção.
É encontrar alguém cuja vida seja a evidência da Verdade.
Um saber intuitivo dentro de nós reconhece tal pessoa.
Busque e valorize essa companhia.


A vida começa todos os dias só depende da nossa vontade de despertarmos para ela.

Elisabete Coelho


"QUANDO UMA MULHER SE SUJEITA A SER AMANTE DE UM HOMEM CASADO. 

Então você acha que ele não ama a mulher dele só porque saiu contigo? Engano seu, ninguém é obrigado a ficar casado por causa da mulher, filhos ou dinheiro. Ele que pague uma pensão e peça guarda compartilhada e vá viver só ou com quem quiser. Se ele gosta tanto de você que é amante, por que você passa o aniversário dele, fins de semana, feriadão, as férias, o carnaval, a páscoa, dia das mães, dia dos pais, dia dos namorados, são João, dia das crianças, natal , réveillon... entre outras datas importantes sozinha? Que poder é esse seu na cama que não te garantiu uma aliança na vida ou no dedo ainda? Ou se garantiu, as famílias e a sociedade desconhecem essa união oficial! Talvez você acha que fazer uma merda de sexo, dentro de um carro, em menos de 1 hora de motel, às escondidas, ou transar pra ele é algo que prenda sentimento.Sexo é necessidade fisiológica, é como fazer coco e xixi, sexo se faz com qualquer coisa, até sozinho, inclusive com você. Amor se faz com alguém escolhido para amar.Ta rindo porque ela é corna? Ok, tudo bem. É corna mas dorme com ele todos os dias, dirige o carro dele, ele dirige o carro dela, frequenta a casa da família dele e ele da família dela, viajam juntos, tem sonhos, tem problemas, tem alegrias, tristezas, mas enfrentam juntos, um dando força pra o outro, a mulher que ele escolheu para amar é corna mas tem prioridade em tudo que ele faz, é corna mas quem faz ele dormir no sofá quando mandado é ela! E depois ele vem todo obediente fazendo tudo que ela mandar.E você? Você é apenas um deposito de espermas da necessidade fisiológica de um homem casado tem de fazer sexo com qualquer coisa, inclusive com você, e você coitada fica aí toda feliz quando um homem sem auto estima e mal resolvido resolve te chamar de linda e dizer que te ama, mentindo na cara dura pra você dar pra ele. Aprenda: um homem ou mulher trai sim. Trai por insegurança, por carência, por vingança, por raiva, por necessidade fisiológica. Mas amor, cumplicidade, dedicação de verdade ... Ahhhh, isso você não tira do marido de ninguém!" 
SE VALORIZE MULHER, O AMOR PRÓPRIO É O PRIMEIRO DE TODOS OS AMORES, QUEM VIVE DE MIGALHAS É POMBO OU FORMIGA

Gessi Moreira
20 de outubro às 13:26 ·


terça-feira, 20 de outubro de 2015

                             Abençoados sejam os inimigos que nos fortalecem.

A cada escolha que fazemos, abrimos mão de algo que também nos era valioso; é uma questão de atribuir valor à escolha. A cada decisão que tomamos, angariamos a admiração de uns e o repúdio de outros; é o preço que pagamos por sermos fiéis ao que acreditamos. A cada opinião que emitimos, encontramos eco nos semelhantes e críticas nos divergentes; é a consequência imediata por admitirmos uma posição, por não cabermos no conforto da alienação. Jamais estaremos em acordo completo com todos. E, muitas vezes, o simples fato de existirmos dentro de um conceito social e humano, pode despertar a ira alheia. Que venha a ira! É melhor sermos odiados do que sermos ignorados.
A citação “Os amigos dizem-se sinceros; os inimigos são-nos”, de autoria do Filósofo alemão Arthur Schopenhauer (1788 – 1860), serve como um espinho sobre as nossas mais profundas idealizações acerca dos relacionamentos sócio-afetivos. Cercamo-nos da proteção daqueles que se declaram nossos amigos, afetos e amores, apoiados na crença de que, dessa forma, estaremos protegidos do mal e da maldade. Difícil saber. O ser humano é movido pelas paixões e não é capaz de amar a ninguém mais, na mesma medida que ama a si mesmo. Salvo o amor aos descendentes, consanguíneos ou não, todo o resto fica menor diante da necessidade de auto-preservação e da ameaça à felicidade, ao sucesso e à segurança. Os amigos utilizam-se da sinceridade em doses calculadas, cujo limite é o nosso ponto de aceitação em relação ao pensamento despido do outro. Na verdade, não estamos de fato interessados em sinceridades sem limite. Estamos? Quantas vezes jogamos no colo do outro, questionamentos referentes ao nosso modo de agir, pensar ou nos apresentar, apenas interessados em uma opinião que venha ao encontro da nossa? A sinceridade é a verdade sem maquiagem. A sinceridade é ferramenta útil nas mãos do inimigo. Sem nos confrontarmos com ela, tornamo-nos pessoas gelatinosas e mornas, no conforto das “mentiras sinceras” que brotam das bocas, olhos e abraços daqueles que nos querem bem. Precisamos da sinceridade do inimigo para nos atiçar o desejo do bom combate, para nos despertar diante do opositor. Amigos não são sinceros o suficiente para nos fortalecer; os inimigos, sim.
Mahatma Gandhi, foi o maior líder pacifista de toda a História da humanidade. Embora usassem de atos violentos contra a população da índia, os ingleses evitavam o confronto aberto contra Gandhi. O líder expressava seu desacordo contra a ocupação inglesa por meio de jejuns, marchas e desobediência civil, incentivando o não pagamento de impostos e o boicote a produtos ingleses. Em 1922, Gandhi foi detido em virtude de uma greve contra o aumento de impostos, que culminou com uma multidão incendiando um posto policial. Gandhi foi julgado e condenado a seis anos de prisão. Libertado em 1924, Gandhi continuou a orientar a população a posicionar-se contra a opressão inglesa de forma pacífica. Em 1930, liderou a marcha para o mar, na qual milhares de pessoas caminharam mais de 320 quilômetros para protestar contra o imposto sobre o sal. Para complicar ainda mais o cenário, as rivalidades existentes entre hindus e muçulmanos na Índia, retardaram o processo de independência. Com o início da Segunda Guerra Mundial, Gandhi voltou à luta pela retirada imediata dos britânicos do seu país. Por fim em 1947 os ingleses reconheceram a independência da Índia, contudo mantiveram seus interesses econômicos. As divisões internas levaram o governo a criar duas nações, a União Indiana, governada pelo primeiro ministro Nehru, e o Paquistão, de população muçulmana. A divisão interna gerou violenta migração de hindus e muçulmanos em direções opostas da fronteira, o que resultou em sérios conflitos. Gandhi aceitou a divisão do país e atraiu o ódio dos nacionalistas. Um ano após conquistar a independência, foi morto a tiros por um hindu rebelde, quando se encontrava em Nova Délhi, capital indiana, no dia 30 de janeiro de 1948. Suas cinzas foram jogadas no Rio Ganges, local sagrado para os hindus. É dele a citação “O fraco jamais perdoa; o perdão é uma das características do forte”. Gandhi tinha profundo respeito por seus inimigos. Ele não os temia, mas era temido por eles. E pagou com sua vida pela insurgência contra o sistema de opressão política e intolerância religiosa.

Quando eu não sei onde guardei um papel importante e a procura revela-se inútil, pergunto-me: se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria? Às vezes dá certo. Mas muitas vezes fico tão pressionada pela frase "se eu fosse eu", que a procura do papel se torna secundária, e começo a pensar, diria melhor SENTIR.

E não me sinto bem. Experimente: se você fosse você, como seria e o que faria? Logo de início se sente um constrangimento: a mentira em que nos acomodamos acabou de ser movida do lugar onde se acomodara. No entanto já li biografias de pessoas que de repente passavam a ser elas mesmas e mudavam inteiramente de vida.

Acho que se eu fosse realmente eu, os amigos não me cumprimentariam na rua, porque até minha fisionomia teria mudado. Como? Não sei.

Metade das coisas que eu faria se eu fosse eu, não posso contar. Acho por exemplo, que por um certo motivo eu terminaria presa na cadeia. E se eu fosse eu daria tudo que é meu e confiaria o futuro ao futuro.

"Se eu fosse eu" parece representar o nosso maior perigo de viver, parece a entrada nova no desconhecido.

No entanto tenho a intuição de que, passadas as primeiras chamadas loucuras da festa que seria, teríamos enfim a experiência do mundo. Bem sei, experimentaríamos emfim em pleno a dor do mundo. E a nossa dor aquela que aprendemos a não sentir. Mas também seríamos por vezes tomados de um êxtase de alegria pura e legítima que mal posso adivinhar. Não, acho que já estou de algum modo adivinhando, porque me senti sorrindo e também senti uma espécie de pudor que se tem diante do que é grande demais
Clarice Lispector

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Gostaria de poder abraçar todas as pessoas, que um dia me estenderam as mãos e me guiaram para o melhor caminho sendo verdadeiros anjos da guarda.

Elisabete Coelho


Somos seres tão insignificantes, somos vulneráveis, não somos nada.

Elisabete Coelho


quinta-feira, 8 de outubro de 2015

"Eu gosto de errar. Sinto o cheiro e gosto dos meus erros e simpatizo com eles. O certinho me causa desconfiança. Antipatizo com o correto. Prefiro a minha infelicidade com flashes de felicidade momentânea.Esperar não é para mim. Produzo teorias que não servirão para nada. Invento palavras que não existem, faço meu próprio dicionário. Crio definições que só eu uso e, ainda por cima, me mato de rir. Prefiro a minha insanidade com flashes de sanidade instantânea. O que presta é o que me interessa. O que eu quero, agarro. O que eu desejo, abraço. O que eu sonho, desenho. O que eu imagino, escrevo. O que eu sinto, escondo. A perfeição está no meu humor. Está na minha emoção. Está nas minhas linhas tortas e devaneios tolos. Nem sempre minhas ações condizem com as minhas palavras. Me conheça. Me decifre. Me ame. Me devore" 

(Clarissa Corrêa)


quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Aqui se passa fome, aqui se odeia, aqui se é feliz, no meio de invenções miraculosas.
Adélia Prado


quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Deus de vez em quando me tira a poesia. Olho para uma pedra e vejo uma pedra.

Adélia Prado


     Ensinamento!
“Minha mãe achava estudo
a coisa mais fina do mundo.
Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão,
ela falou comigo:
“Coitado, até essa hora no serviço pesado”.
Arrumou pão e café , deixou tacho no fogo com água quente.
Não me falou em amor.
Essa palavra de luxo.”

Adélia Prado


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Para amar uma canção não é necessário entende-lá, você pode ser surdo, mudo, cego!
O essencial é sentir com a alma.
A música é universal 


Elisabete Coelho)

Fiz as pazes comigo mesma e resolvi ser a minha melhor amiga.

(Elisabete Coelho)


sexta-feira, 25 de setembro de 2015

JOSÉ

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
Você que é sem nome,
que zomba dos outros,
Você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio, - e agora?

Com a chave na mão 
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais!
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse,
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja do galope,
você marcha, José!
José, para onde?


Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Algumas pessoas costumam usar com muita frequência o verbo querer (eu quero), mas não se doam o suficiente, não se permitem amar, apenas desejam possuir e receber amor.
Não são todos que aprendem o significado da palavra amar.


Elisabete Coelho